Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário do "bipolar"

"Diário do amor, em parcelas escritas de lágrimas, silêncios e ânsias. O tempo igual ao de todos, pincelado de saudade e esperança. A luz que surge no caminho. Viver. Cair e levantar. Em cada dia."

Diário do "bipolar"

"Diário do amor, em parcelas escritas de lágrimas, silêncios e ânsias. O tempo igual ao de todos, pincelado de saudade e esperança. A luz que surge no caminho. Viver. Cair e levantar. Em cada dia."

Quem não erra?

São 3:55 o meu telefone toca. Atendo.

Nota-se claramente na tua voz arrastada que estás com algum álcool. É difícil perceber algumas palavras. A tua mente parece confusa.

Tentas manter um diálogo mas não consegues manter o equilíbrio na conversa. Pareces ter tanto para dizer e nada consegues.

Sei que está a ser tão doloroso para ti como para mim. Nunca nos imaginámos nesta situação. Só acontece aos outros. Hoje somos nós.

- Onde é que erramos?

Ouço-te a chorar e não sei o que te dizer. Penso nessa questão a toda a hora.

Sem arquitetar a resposta, deixei que fosse o coração a falar.

- Errámos nos momentos em que te deixava na sala e ia para o quarto dormir. Nunca me pediste para ficar, mas também não te pedi para me acompanhares.

Errámos nas conversas. Ficou muito restrito ao nosso egoísmo e esquecemo-nos de perguntar como o outro estava ou se sentia.

Errámos nos jantares especiais, há muito esquecidos. Conseguíamos ser só um do outro. Nunca te perguntei se os querias fazer novamente, também não me alertaste e sujeitámo-nos à rotina.

Errámos no dia em que deixámos de acreditar que os nossos problemas se iriam resolver. Tinhas medo, eu estava aterrorizada.

Errámos no momento em que nos sentimos sozinhos. Mesmo acompanhados. Pensávamos que nos tínhamos perdido. Só não quisemos aceitar que algumas coisas tinham mudado e nós também. A idade e as situações também nos fazem amadurecer e viver de outra forma.

Errámos quando não fizemos os nossos momentos. Somos felizes com pouco. E nesse pouco éramos felizes. Esquecemo-nos disso.  

Errámos quando tentámos ajudar quem nos rodeava sempre com uma palavra amiga a apelar ao bom-senso e não tentámos perceber o que estava acontecer connosco.

Nada fazemos para contrariar a estranha revolta.

Errámos quando não aceitamos a vida tal como ela é e, que o passado nunca mais irá voltar.

Só o existir e o sobreviver não faz sentido e errámos em reprimir sentimentos.

Errámos quando pensávamos que não havia mais amor entre nós. Mas há.

Só iremos errar verdadeiramente se nada fizermos para inverter os nossos erros.

Errámos em tantas coisas e vamos continuar a errar. Aprendemos com essas experiências e ficamos a saber mais sobre nós.

Quem não erra?

Estás a errar em não estar nesta cama e eu errei por te deixar partir. Aguardo por ti.

- Sim, agora percebo onde também estou a errar. Até já. Amo-te.

 

black-and-white-contrast-dark-633488.jpg

 

Foto de: it's me neosiam