Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário do "bipolar"

"Diário do amor, em parcelas escritas de lágrimas, silêncios e ânsias. O tempo igual ao de todos, pincelado de saudade e esperança. A luz que surge no caminho. Viver. Cair e levantar. Em cada dia."

Diário do "bipolar"

"Diário do amor, em parcelas escritas de lágrimas, silêncios e ânsias. O tempo igual ao de todos, pincelado de saudade e esperança. A luz que surge no caminho. Viver. Cair e levantar. Em cada dia."

E é no topo desta montanha que grito

Por onde quer que olhasse só via sombra, o cenário era pintado em tons escuros, tudo muito frio e sem expressão.

Olhei para cima vezes sem conta, já decorara o trajeto a percorrer. Era difícil, mas não impossível.

«O que existiria naquele cume?»

 A falta de coragem não me deixava avançar, lutava por nem sequer conseguir tentar. As forças desapareceram e deixei-me levar pelo comodismo. Tinha pena de mim.

Senti que era merecedor de tudo aquilo o que se estava a passar. A saudade da luz começou a ficar evidente. A imaginação e a curiosidade tomaram conta da minha mente.

Os raios de luz apareciam subitamente querendo iluminar os meus primeiros passos, querendo dizer que existia mais para além daquela montanha. Não consegui mais viver naquela sombra. Tinha que arriscar.

Conversei comigo, nada mais havia a perder, já não restava nada. Não podia perder a ultima coisa que me restava. Eu.

 Naquele final de tarde de um dia soalheiro largo toda a bagagem e parti. Parti rumo ao desconhecido. Desde o início que soube que não ia ser fácil e não foi.

Escalei aquela montanha com todas as forças que tinha e quando pensei em desistir olhava lá para baixo. Lá estava a sombra onde não queria estar. Ofegante prossegui.

Passos lentos e calculados, não podia cair, não corri riscos.

Estava determinado.

Houve momentos em que parei, momentos em que tive que voltar para trás ligeiramente para contornar obstáculos, nada me demovia.

 Não conhecia esta nova realidade, não conhecia este novo "eu". Olhava para cima e conseguia ver a luz. Cada vez vai evidente.

No meu limite das forças cheguei ao topo daquela montanha. Fechei os olhos e respirei liberdade.

E é no topo desta montanha que em tempos me impedia de ver o horizonte que grito pelo teu nome.

Ouve-me.

 

chill-guy-high-tatras-91224.jpg

Foto de: Pixabay

 

1 comentário

Comentar post