Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário do "bipolar"

"Diário do amor, em parcelas escritas de lágrimas, silêncios e ânsias. O tempo igual ao de todos, pincelado de saudade e esperança. A luz que surge no caminho. Viver. Cair e levantar. Em cada dia."

Diário do "bipolar"

"Diário do amor, em parcelas escritas de lágrimas, silêncios e ânsias. O tempo igual ao de todos, pincelado de saudade e esperança. A luz que surge no caminho. Viver. Cair e levantar. Em cada dia."

Completo em ti

Quando olho para ti, sinto que te estou a olhar pela primeira vez, apaixono-me sempre.

Mas tenho que te confessar:

Tenho saudades daquela euforia, daquela loucura, daquele viver sem limites, daquele amor inocente que tínhamos no passado.

Tenho saudades de olhar para ti de canto a admirar-te a arranjares o cabelo, tentavas ser perfeita aos meus olhos. Noites sem dormir a pensar nas linhas do teu rosto, decorei nos primeiros segundos em que te vi.

Os olhares a medo e tímidos, sempre respeitando o conforto um do outro, sabias o quanto me fascinavas e provocavas ainda mais.

Adorava!

Por vezes, lá ficavas sem jeito e eu reparava nisso, fingia que não, mas eras encantadora na mesma. As palavras que trocámos sorrateiramente para não sermos demasiado evidentes, era inevitável fingir o quanto gostávamos da presença um do outro. Os primeiros encontros às escondidas, estávamos carregados de adrenalina, tínhamos o coração aos pulos. Brincadeiras parvas só para te ver às gargalhadas, tentava desesperadamente ser único porque tu eras única para mim, ainda o continuas a ser.

A ansiedade que tomava conta de nós quando tínhamos que nos abandonar, ainda a sinto só de imaginar o teu aceno no carro a arrancar, era a parte mais triste do meu dia. Dias esses que eram demasiado curtos quando estávamos juntos, não achas?

As mensagens trocadas até um de nós adormecer, parecia que tínhamos medo que não houvesse o amanhã.

Tenho saudades das tardes que passávamos dentro do carro a ver o mar, sempre que os nossos olhares se cruzavam compunhas novamente o cabelo e piscavas-mos o olho, estávamos a viver um sonho.

Pensei que esses momentos se fossem prolongar, que seriam eternos.

Hoje ainda sonho com o teu rosto, sei onde fica cada ruga tua e adoro-as.

O teu corpo não é o mesmo, já se notam os sinais do tempo mas não lhe vejo diferenças. Ainda vejo aquela silhueta delicada, apesar de tu achares sempre o contrário, cada estria é uma história e tens um livro muito romântico e continua a ser o meu favorito.

Quero-me apaixonar e reviver tudo nem que seja mais um dia, ainda nos podemos surpreender. O amor que temos um pelo outro é fantástico mas é aborrecido. Acho que nos esquecemos de nós no meio de tantas rotinas, tantos problemas, tanto cansaço para podermos sobreviver.

Peço-te, tira um dia para voltarmos a ser inocentes, vamos nos encher de adrenalina, vamos correr, dançar, sorrir como duas crianças, já merecemos voltar a respirar e sentirmo-nos vivos novamente.

Quero voltar a viver vezes sem conta os nossos momentos como pela primeira vez.

Na próxima vez que me vires podes compor o cabelo e piscar-me o olho?

Vou-me derreter todo!

21754423_10209983200324492_769402715_n.jpg

Foto de: Sara S.

1 comentário

Comentar post